PUBLICIDADE

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

[leia] Coordenadores acusam o Sinte estadual de trabalhos paralelos

Umarizal - Integrantes do Sindicato dos Trabalhadores na Educação - Regional de Umarizal - (SINTE/RN) estiveram reunidos no último final de semana para fazer um balanço de todas as questões e complicações que estão acontecendo, relacionadas à Estadual do Sindicato. Os problemas vêm se estendendo desde que o professor Zezé Cardoso foi eleito presidente da regional, substituindo Itna Alves, que ficou quase nove anos à frente da instituição.

Uma das causas pelo entrave entre as lideranças de Umarizal e Natal diz respeito a disponibilidade dos diretores. O novo presidente não teve o direito de ficar à disposição do sindicato, sendo obrigado a cuidar do órgão e ainda cumprir sua carga horária na escola aonde trabalha. Segundo Zezé, ele foi informado pela Estadual que essa questão é de responsabilidade das correntes políticas que pertencem ao PT e PC do B.

De acordo com o professor, o Partido dos Trabalhadores tem duas correntes dentro da direção no Estado e o Partido Comunista possui mais uma.

- "Qualquer decisão nesse sentido terá de passar por uma corrente majoritária, do contrário não será aceita", argumenta Zezé, acrescentando que pessoas como Janiery Souto e Luis Carlos, membros do Sinte, têm muita influência e são coniventes com essa situação.

Mesmo o professor Zezé Cardoso tendo sido eleito pelo voto direto, para cuidar dos interesses dos professores da rede estadual no município, a disponibilidade continua com a ex-presidente Itna Alves que por ser membro do PT tem recebido total respaldo desse grupo.

- "Hoje o Sinte está quase todo dentro do governo, por isso a disponibilidade poderá ser passada para qualquer pessoa que eles achem importante, o que não é o nosso caso", reclamou Zezé.

Ele alega que devido essa condição, a Estadual, através da “professora” (ela na é professora) Janiery Souto, está fazendo um trabalho paralelo independente da regional, usando a ex-coordenadora para isso.

- "Não podemos concordar com essa atitude, isso se concretiza como um desrespeito à regional e aos professores de Umarizal", disse.

Zezé garante que depois de eleito esteve em Natal para assegurar que a regional de Umarizal estaria pronta para atuar em parceria, atendendo a todas as solicitações, e, mesmo assim, eles continuaram distantes realizando trabalhos paralelos sem qualquer contato com a equipe do município.

- "Esperamos que eles façam o que deve ser feito e de forma correta, até porque ficará muito difícil para eu cuidar do Sindicato e ainda cumprir 40 horas aula. Isso é um problema que atingirá diretamente a categoria", finalizou o coordenador.



Zezé critica atitude de ex-coordenadora

O coordenador do Sinte/Umarizal, Zezé Cardoso, criticou a atitude da ex-diretora do órgão que após fechar todos os documentos de sua gestão entregou uma pasta na Estadual, deixando-o sem condições de conhecer os procedimentos anteriores do Sindicato.

Ele disse que teve de ir até Natal para requerer as prestações de contas da regional que já estavam depositadas em arquivo morto.

- "Como eu poderia pagar as contas do sindicato sem ter os comprovantes de compra, e como poderia eu prestar qualquer esclarecimento sem esse material?", questionou.

Zezé deve se unir ao presidente eleito do Sinte de Apodi, professor Pedro Filho, para reclamar em Natal das atitudes tomadas pela Estadual, que fere os direitos dos coordenadores e principalmente dos professores, uma vez que submissa, a regional não poderá realizar nenhum movimento legítimo.

O professor Pedro Filho é outro denunciante das atitudes da Estadual. Ele também não teve direito a disponibilidade e teme que os coordenadores tentem fazer o mesmo que está sendo feito em Umarizal e por isso está arquitetando uma mobilização contra isso.


BOICOTE

O presidente eleito do Sinte/regional de Apodi, professor Pedro Filho, criticou a postura da Estadual, taxando-a de arbitrária. Ele disse que teme que os diretores estaduais tentem fazer com Apodi o que tem feito nos municípios onde a diretoria eleita não está dentro do grupo preferido por uma maioria.

Ele usa o exemplo de Umarizal, como os novos coordenadores estão sendo boicotados por uma ação da Estadual, que está passando por cima da regional realizando trabalhos paralelos, visitando os municípios com a ajuda dos coordenadores derrotados. Outra preocupação é com relação à disponibilidade dos servidores que deveria ser repassada automaticamente para nova diretoria.

- "Nós da regional não iremos permitir que se faça nenhum tipo de boicote, seja trabalho paralelo ou falta de disponibilidade", critica o professor.

O novo presidente deixou claro que uma de suas metas à frente do Sinte é criar um regimento para a regional para coibir ações ditas desrespeitosas para com a categoria local.

"O estatuto estadual - 'artigo 76 - letra C' permite isso, então iremos trabalhar para evitar que sejamos prejudicados por uma minoria", finaliza.

Seja o primeiro a comentar

PUBLICIDADE

Arquivo do blog

  ©Template by Dicas Blogger

TOPO